NA PRESSÃO : Falta de climatização em transportes públicos

Os dois milhões de usuários de transporte público na Região Metropolitana do Recife penam todo santo dia em ônibus que mais parecem o inferno de tanto calor – isso sem falar nas outras mazelas. Enquanto isso, as empresas operadoras ganham cada vez mais dinheiro em um negócio extremamente lucrativo apenas para elas. Em troca, prestam um serviço de péssima qualidade.

Diante dessa triste e antiga realidade, mais do que um estímulo ao debate, a coluna de hoje é uma cobrança mesmo para que os barões do transporte público tratem seus clientes – sim, são os usuários que pagam a maior parte da conta – e seus próprios funcionários com dignidade e respeito. É hora da sociedade se mobilizar para agir.

O primeiro passo é a climatização dos coletivos. Hoje, às 9h, no Plenarinho da Câmara Municipal do Recife, o vereador Alcides Teixeira Neto vai realizar uma audiência pública para discutir seu projeto de Lei que obriga as empresas a instalarem ar-condicionado em todos os ônibus que circulam no Recife. Os movimentos que formam a luta por melhores condições no sistema prometem fazer muito barulho no ato.

E eles estão certos. O projeto de Alcides Teixeira cobra o mínimo. Não precisaria nem de uma lei para obrigar o óbvio; o bom senso deveria falar por si só. Pois as empresas de ônibus se preparem porque a pressão vai ser grande. Chega de descaso! O trabalhador já sofre muito. Ele precisa de dignidade, ao menos, para ir e vir.

Bons exemplos – Outras cidades do Brasil já têm leis semelhantes a que o vereador Alcides Teixiera Neto está propondo sobre a climatização dos ônibus, a exemplo de São Paulo, Porto Alegre, Curitiba e Fortaleza, essa aqui no Nordeste. Por que o Recife também não pode ter? A matéria do vereador já passou pelas comissões, e, após a audiência pública de hoje, vai ser apreciada no Plenário. Estamos de olho, viu, senhores vereadores!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.