• Conheça os pontos turísticos de Paulista

Ser Ficha Limpa é obrigação!

Foto: Jornal GGN

O povo brasileiro busca de forma prioritária candidatos sem envolvimento em escândalos de corrupção. 87% dos eleitores dizem achar muito importante na hora de escolher um candidato que ele nunca tenha se envolvido em casos de corrupção. Os dados são de uma pesquisa divulgada no fim de 2017 pela Folha de São Paulo.

Diferentes páginas na internet como o “Movimento Ficha Limpa” e o portal Novo Eleitor e o site do Tribunal Superior Eleitoral disponibilizam informações relevantes sobre o histórico de políticos de todas as regiões do Brasil, para que o cidadão possa saber se determinado candidato é “ficha limpa” ou se responde algum processo por escândalos de corrupção.

A lei complementar 135/10 conhecida como Lei da Ficha Limpa entrou em vigor no dia 7 de junho de 2010. Com a lei, políticos e demais cidadãos não podem oficializar candidatura caso tenham qualquer pendência com a Justiça. Um passo importante em busca de um Brasil ético e onde a cidadania seja exercida de forma justa e honesta.

Além do trabalho da Justiça, cabem aos brasileiros, eleitores responsáveis pela escolha dos candidatos que irão governar a cidade, o estado e o país, fiscalizarem e buscarem informações de quem são os candidatos a cargos políticos e se durante o mandato cumpriram com todas as promessas de governo.

A corrupção em todo o mundo destrói os serviços públicos, a integridade das instituições e dos funcionários. A desonestidade se configura como um insulto aos princípios democráticos, aos valores éticos, à Justiça e ao Estado de direito, ameaçando a estabilidade e a segurança das sociedades.

Antes mesmo da aprovação da Lei da Ficha Limpa em 2010 e dos escândalos de corrupção que assolam a política nacional, Nena Cabral defendia ideais como o compromisso com a palavra e a honestidade. Desde 2008, participa do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, com o objetivo de despertar a consciência da população em lutar contra os “fichas sujas” e assim atingir um nível de política organizada e ética.

 

Deixe uma resposta